Categories
Sem categoria

Termos de Serviço

Os Termos de Serviço dos serviços oferecidos pelos guias ligados ao Meu Egito (ME) são essenciais para a sua viagem. Além de isto valer como um contrato entre os guias e os clientes, há informações gerais que lhe serão úteis. Está tudo escrito com linguagem simples e objetiva, sem letras minúsculas, sem notas de rodapé. Recomendamos que guarde sua cópia para refletir o momento, pois atualizamos o conteúdo de acordo com novas e naturais necessidades que surgem ao longo dos anos.


Personalização de roteiro

O foco do ME são os roteiros personalizados. O que significa essa personalização? Com base nas conversas com o cliente, será personalizada a criação de um roteiro para ele. Definido um roteiro, este terá de ser seguido durante a viagem. Haverá toda uma complexa logística para tornar isso possível, de acordo com o combinado.

Roteiros podem ser não privados ou privados. Ambos são roteiros personalizados. No não privado, pode haver mais turistas com o cliente em toda a viagem ou em parte(s) dela. Sempre grupo pequeno, para manter qualidade. No privado, a única diferença é a garantia de nunca haver mais nenhum turista com o cliente.

Alteração de ordem dos passeios

A equipe do ME pode julgar necessária a alteração da ordem de um ou mais passeios. Isso se dá por questões logísticas diversas, ou questões climáticas/meteorológicas. Pode acontecer, inclusive, repentinamente.

Gorjetas

As gorjetas são uma questão cultural no Egito. O cliente não evitará lidar com isso.

Os pacotes do ME não incluem gastos com gorjetas.

Gorjetas são necessariamente pagas a motoristas e a outros profissionais que servem o cliente durante a viagem. No caso do cruzeiro do Nilo, haverá uma gorjeta fixa de 30 dólares por pessoa – valor distribuído entre os profissionais do navio, o cocheiro da visita a Edfu, o condutor de uma faluca, etc. Isso acontece com todos os turistas, mesmo os que viajam por outras agências. (Em épocas de alta temporada, o valor pode ser de 40 dólares em vez de 30.)

É tradição o guia colher esses 30 dólares por pessoa e distribuir o dinheiro a quem de direito. Os trabalhadores desse sector no Egito organizam-se assim e sabem o que fazer e como controlar isso.

Bilhetes de entrada

Os pacotes do ME incluem os bilhetes de entrada das atrações turísticas/históricas. Há três exceções:

  1. Museu do Cairo
    • Inclui o bilhete para entrar no Museu.
    • Deve ser pago à parte, em bilheteria própria, o ingresso para a Sala das Múmias Reais, dentro do museu. Visitar essa sala não é obrigatório.
  2. As Grandes Pirâmides
    • Inclui o bilhete para entrar no complexo das Grandes Pirâmides e da Esfinge.
    • Se o cliente quiser entrar em uma das Grandes Pirâmides, deverá pagar bilhete à parte, em bilheteria própria.
  3. Tumba de Tutancamon
    • Inclui bilhete para entrar no Vale dos Reis. O bilhete dará direito a visitar 3 tumbas.
    • Mas algumas tumbas exigem um pagamento extra, lá mesmo, em bilheteria própria. Uma dessas tumbas é a de Tutancamon. (Nota — Também é necessário comprar ingresso extra para entrar na tumba de Ramsés VI.)

Definição de vôos internos

Quando a proposta inclui vôos internos, trata-se de uma previsão, uma projeção com relação a dias, a horários e a preços desses vôos. Quando o cliente aceita e paga a entrada, efetivando o negócio, o ME avança com as reservas necessárias. Devido às rápidas lotações dos vôos internos, ou por questões logísticas, poderá ser preciso um ajuste no roteiro com relação a esses vôos. Neste caso, tudo será explicado e justificado ao cliente.

Há uma rigorosa política de cancelamento no Egito com relação a vôos. Cancelamentos ou trocas de vôos dão origem a custos ao cliente, a serem definidos com a companhia aérea, ou até mesmo uma perda total do dinheiro pago pelas passagens.

As Grandes Pirâmides

Para entrar no complexo das Grandes Pirâmides e da Esfinge, os turistas enfrentam uma fila para bilhetes e para verificação de segurança. Um acesso que até pode ser demorado. Depois, caminham vários metros até chegar às Grandes Pirâmides. Para poupar tempo, por questões logísticas, até porque sítios arqueológicos não ficam abertos o dia todo, o cliente deverá comunicar durante a fila de entrada (ou antes) o interesse em entrar em uma das Grandes Pirâmides. Se deixasse para comunicar isso quando estivesse diante de uma pirâmide, seria necessário voltar todo o caminho, voltar ao início da fila, comprar o bilhete, passar por verificação de segurança novamente, subir de novo todo o caminho. Inviável para essa visita.

Fica o cliente esclarecido sobre o seguinte: entrar em uma das Grandes Pirâmides é uma emoção incrível, mas deve haver reflexão antes. Há riscos de acidente lá dentro. Além disso, a pessoa não pode ter problemas de locomoção, nem problemas cardíacos, nem problemas respiratórios, e muito menos claustrofobia.

Vale lembrar, ainda, que há riscos naturais durante outras visitas no Egito, como subir grandes degraus, andar em ruínas, cruzar templos, etc. O cliente deverá sempre estar atento, e o ME não se responsabilizará por acidentes de nenhum tipo.

Trajes

Como o cliente deverá se vestir, de acordo com a programação do dia? Use o bom-senso. Vai ao complexo das Grandes Pirâmides e da Esfinge? Já pode imaginar a roupa – uso de sapatos confortáveis, por exemplo. Está em Sharm el-Sheikh? Deve ter dia com atividades de mergulho, praia, etc. O bom-senso será o norte da pessoa. Na dúvida, o cliente deverá falar com o guia, de preferência com o mínimo de um dia antes.

Quanto a trajes para mulheres, bom-senso também ditará as regras. Acima de tudo, ser discreta bastará para estar de acordo.

Hotel no Cairo

Se o cliente decide reservar hotéis por conta própria, terá de escolher um no centro do Cairo ou em Gizé, perto das Grandes Pirâmides. Enfim, nas áreas turísticas normais e comuns para isso. Um hotel fora desses locais até poderia inviabilizar a logística dos passeios, devido a distâncias e ao trânsito complicado do Cairo.

Hotéis no Egito

O Egito possui um padrão peculiar de hotelaria. Poderá haver um ou outro problema. Na prática, se o cliente contratar um hotel 5 estrelas, esperará qualidade de 4 estrelas – e assim sucessivamente. É válido baixar um tanto o padrão de expectativas.

Há uma grande diferença entre o 5 estrelas “padrão turístico”, comum, e o 5 estrelas “cheio”, este sim de total qualidade – caso do Four Seasons, entre outros.

Se a reserva do(s) hotel(éis) estiver a cargo do ME, lidaremos apenas com padrão 4 ou 5 estrelas. Quando a reserva ficar por conta do cliente, o ME não possuirá nenhuma responsabilidade sobre isso.

De maneira nenhuma o ME recomenda hostel no Egito.

Navio de cruzeiro

Quando houver cruzeiro, a proposta entregue ao cliente apontará o nome de um navio e citará “ou similar”. É muito raro acontecer substituição. Quando acontece, é por forças além do alcance do ME. Neste caso, o ME escolherá um outro navio de padrão similar, e avisará antes ao cliente.

Cruzeiro, se aplicável à viagem, seguirá em regime de pensão completa para o cliente (bebidas pagas à parte). Começará com o almoço no dia do check-in e terminará com o café-da-manhã/pequeno almoço no dia de check-out. Em alguns casos, o cliente fica um período a mais na cidade de check-out do cruzeiro — além da fase normal do cruzeiro (após check-out). Portanto, não será aplicável a regra das refeições incluídas nesse período extra.

Visitas a lojas

Visitar lojas é uma questão cultural no Egito. No mínimo, por curiosidade. Por exemplo, visitar uma das famosas lojas de papiros. O visitante presencia o processo original de fabricação do papiro. Vê inúmeras peças, praticamente obras de arte. E que tal uma loja de produtos feitos com o famoso algodão egípcio? Ou uma loja-fábrica dos tradicionais tapetes egípcios? Ou de perfumes e essências? Ou de produtos de alabastro? Nenhum cliente será obrigado a comprar nada, em loja nenhuma. E, caso compre, recomendamos que negocie bastante os preços.

O ME programa visitas assim porque 90% dos turistas gostam. Por acaso o cliente tem aversão a esse tipo de visita? Avise ao guia.

Essas visitas serão programadas em horários que não prejudiquem outros passeios. Caso o cliente não as queira, não poderá escolher outra coisa no lugar.

Alterações no roteiro

Qualquer alteração no roteiro combinado, pedida pelo cliente, estará sujeita a uma real possibilidade de isso acontecer. E poderá envolver custos extras. Isso valerá para tudo: hotéis, outros passeios, etc.

Idioma dos guias

O foco do ME são os guias que falam português. Mas é extremamente difícil encontrar/contratar um guia que, além de ser bom, fale português.

A prioridade do ME, para todos os clientes, é marcar um guia que fale português. Mas poderá ser necessário – mesmo que apenas em parte da viagem – um guia que fale espanhol, ou “portunhol”. Caso deseje em outro idioma, como inglês, o cliente deverá avisar já durante a contratação do serviço.

Um representante do ME estará à espera do cliente no aeroporto do Cairo, após o desembarque. O representante o ajudará nas questões de visto, imigração, recuperação de malas. O representante não falará português, mas talvez perceba espanhol.

Ihab e Hadi como guias

Os famosos guias de turismo Ihab Hamdy e Hadi Salah são sócios do ME, junto com Glauco Damas. Ihab e Hadi também atuam como guias para clientes do ME. Mas não haverá garantias de que será um deles o guia do cliente. Poderá não ser, ou ser em parte da viagem. O ME tem um time grande de guias, e mais tarde será feita a criteriosa distribuição deles com os clientes do mês.

Validade das propostas

Quando o ME envia uma proposta a um possível cliente, ela terá validade de uma semana. Caso a viagem seja para uma época de maior cheia no Egito, a proposta terá validade de 3 dias. Exemplos de “maior cheia”: Páscoa, Natal, Ano Novo, etc. O que mais terá chance de mudar nessa proposta, se passar o prazo? Exemplos: o preço por pessoa, a disponibilidade de hotéis, a disponibilidade de vôos internos, etc.

Vale lembrar: os preços estarão sempre em dólares norte-americanos.

Restaurantes

Poderá estar incluído no roteiro um almoço em Cairo, Saqqara ou Alexandria (bebidas são pagas à parte). Neste caso, o cliente será levado a um restaurante turístico – onde turistas costumam comer. Não será possível escolher restaurantes. Por quê? Sempre a questão da logística. Os pontos a serem visitados ficam longe, o trânsito do Cairo é extremamente complicado e vários sítios arqueológicos não ficam abertos o dia todo. Perder tempo em um restaurante poderia fazer o cliente perder uma visita histórica importantíssima.

O cliente poderá não aceitar comer no restaurante apontado. No caso, poderá comer depois no hotel, por conta própria.

Nota – É normal o próprio guia recolher o dinheiro dos turistas para pagar ao restaurante. Se o cliente não ficar à vontade com isso, poderá pagar diretamente ao restaurante.

Cuidados com alimentos e bebidas

O cliente deve lembrar que estará em um país que para ele pode ser “exótico”. Isso envolve hábitos com alimentos (principalmente) e com bebidas. Todo cuidado será pouco sobre o que ele ingerir. Bom-senso deverá imperar aqui, para evitar problemas – problemas gástricos, por exemplo.

Medicamentos

O cliente terá responsabilidade sobre o que precisa em termos de medicamentos. Recomenda-se levar as doses necessárias para a viagem, sem exageros, que poderiam ser vistos como suspeitos por uma alfândega. Em caso de medicamento que no país possa ser considerado ilegal, será responsabilidade do cliente verificar isso.

Reclamações

Cliente insatisfeito com algo durante a viagem? Acalme-se e fale conosco. Teremos boa vontade para ouvir reclamações justas e educadas. Correr para reclamar na internet, diretamente, sem falar conosco antes, não será considerado, e nunca foi nem nunca será meio eficiente e inteligente de reclamar. Nós estamos preocupados com o cliente. Por isso, será necessário falar conosco por e-mail, por telefone ou por WhatsApp durante a viagem.

Alergias e outros problemas

O cliente sofre de alguma alergia alimentar ou medicamentosa? Ou algum problema de saúde que ache relevante reportar? Avise-nos antes da viagem.

Contato em seu país

Tenha a preocupação de nos passar um contato telefônico de amigo ou familiar em seu país, para o caso de haver algum problema. Nunca se sabe o que pode acontecer. Isso é como seguro de viagem: é essencial ter, mas nunca desejamos usar.

Seguro de viagem

Estará por conta do cliente a contratação de um seguro de viagem. Recomendamos profundamente que faça isso.

Visto de entrada no Egito

A proposta entregue pelo ME não inclui o valor do visto de entrada no Egito. Se quiser, o cliente pede auxílio quanto a isso (pequeno valor cobrado à parte) no aeroporto do Cairo. Avise ao contratar o serviço de viagem. (Sim, é possível obter visto ao chegar ao Cairo. Leia depois aqui.)

Atraso em aeroporto

Poderá haver atraso em vôos internos – da mesma forma que pode haver atraso em qualquer aeroporto, em qualquer país. Quem sabe, um longo atraso, de várias horas, causado por questões climáticas, por exemplo (caso de uma tempestade de areia). Isso às vezes exige paciência do viajante, uma longa espera no aeroporto. Nem sempre é possível ir de última hora para um hotel para esperar a redefinição do vôo. Tomemos como exemplo o caso da tempestade de areia. Vôos ficam adiados por tempo indefinido, para segurança de todos. Fica difícil (ou impossível), enquanto isso, obter informação precisa. De repente, o aeroporto convoca os passageiros de determinado vôo para embarque imediato. Se essas pessoas tiverem ido a um hotel, certamente perderão o vôo, porque não haverá tempo de voltar ao aeroporto. Surge a idéia de ir para um outro vôo, mesmo que pagando a mais por isso? Nem sempre é possível. O Egito está cada vez mais cheio de turistas. Vôos internos estão quase sempre lotados.

Enfim, atrasos em vôos internos, mesmo que longos, exigem espera e paciência dos clientes.

Companhia durante os passeios

A contratação de um roteiro personalizado privado significa a certeza de que nenhum outro turista/cliente estará com o cliente durante os passeios.

Acordar cedo

O Egito é uma viagem de acordar cedo. Sempre. Mais uma vez, por questões logísticas – e às vezes até climáticas. Por exemplo, para visitar Abu Simbel, é necessário sair ainda de madrugada.

Pagamento

Para contratar o ME, o cliente pagou uma entrada combinada entre as partes. O restante será pago em dinheiro, apenas quando o cliente chegar ao Cairo.

O recibo do pagamento da entrada, emitido por Western Union, PayPal, TransferWise ou outro combinado com o ME, já valerá como recibo oficial, mesmo que o pagamento tenha sido feito em nome de um dos sócios apontados.

Roteiro final da viagem

Enviar um roteiro final da viagem, em PDF, com o tempo revelou-se nada prático, nada produtivo, quase nada eficiente. Pelo contrário: só atrapalhou. Por quê? O ME lida com roteiros personalizados, sem produtos pré-determinados. Há um grande dinamismo em torno da viagem a ser feita. O ME envia uma proposta inicial, que então é combinada, e a partir disso surgem alterações, novas idéias. O cliente decide incluir um passeio de balão, ou alterar horários de vôos internos, ou incluir Abu Simbel, etc. Com isso, um roteiro “final” em PDF na prática não é um roteiro final. Com o passar do tempo, observou-se que isso só gera dúvidas, em vez de trazer certezas e segurança.

Então qual a segurança do cliente? Não há problema. Tudo é combinado por mensagens de e-mail e/ou mensagens de texto/áudio via WhatsApp. Esse tipo de material já tem valor jurídico e sempre pode ser consultado pelo próprio cliente. O ME nunca apaga mensagens. O arquivo está sempre à nossa disposição. Atualmente, isso parece ter muito mais valor que um simples arquivo PDF numerado. Afinal, qualquer pessoa, em teoria, pode criar um arquivo PDF qualquer. Isso, sim, pareceria inseguro. Pensando na maior segurança do cliente, o ME age diferente.

Actualização – Março de 2019 – O ME sempre aceitou falar com os clientes também pelo Telegram, um concorrente do WhatsApp. A partir de agora, não aceita mais. Por quê? Totalmente, por segurança do próprio cliente. O Telegram implementou uma mudança temerária. Com essa novidade, para o ME, a insegurança é menor, mas, para o cliente, a insegurança é gigantesca. O que acontece? O Telegram agora permite que qualquer mensagem, mesmo que muito antiga, seja apagada por quem a enviou. Imagine a insegurança disso. Exemplo: o cliente pode ter medo de que o ME combine algo com ele, mas apaga depois essa mensagem. Acabou-se. Então qual a prova do que foi combinado? Por isso a nossa preocupação aqui é muito maior com o cliente, não conosco.

Notas de dólar

Alerta-se ao cliente: notas de dólar anteriores a 2000 não são aceitas no Egito.

Aproveitamos para fazer um lembrete: levar notas de euro ou de dólar, nunca de real brasileiro.

Vídeos e fotos

Alguns clientes ficam tão felizes com o ME que, ainda no Egito, aceitam gravar um vídeo-depoimento para nós, enaltecendo os dias incríveis que viveram na terra dos faraós. Ou, simplesmente, entregam algumas fotos para nós. Ficamos muito satisfeitos e gratos ao ver tanta felicidade. Publicamos esses vídeos e fotos em nosso site, em nossas redes sociais (cada sócio do ME em contas pessoais, usadas para divulgar o Egito e o ME) e talvez no blog gdamas.com. Fica entendido que, ao entregar uma imagem, ou ao aceitar gravar um vídeo, o cliente aceita a divulgação nesses meios acima, em nenhum outro mais.

Outras questões ligadas a fotos e vídeos: observar locais que proíbem câmeras e locais que as permitem apenas sob pagamento de taxa. O cliente deverá observar isso e, na dúvida, perguntar ao guia.

Em alguns locais histórico-turísticos, é proibido fotografar ou filmar. O ME não se responsabilizará por consequências a turistas que insistirem na tentativa de capturar imagens. Além disso, em alguns pontos, câmeras são permitidas se o turista comprar um bilhete extra que dê a ele esse direito. Neste caso, se houver interesse em fotografias/filmagens, o cliente deverá comunicar ao guia antes de entrar no local para a visita.

Produtos restritos

O cliente não deve levar drone na bagagem.

Não levar álcool nem uma grande quantidade de cigarro. O cliente poderá comprar certa quantidade de álcool e de cigarro no aeroporto do Cairo. Evite problemas.

Propagandas e bandeiras

Em sítios arqueológicos, principalmente na área das Grandes Pirâmides e da Esfinge, é proibido erguer faixas, cartazes e bandeiras de qualquer tipo, inclusive em poses para fotografias e filmages. Nada de bandeira de país, de time de futebol, de empresa, de produto. O ME nada tem que ver com essa restrição (as regras são do governo), e não se responsabilizará por atitudes do cliente que desrespeitem isso.

Novo Museu

Um novo museu está para ser inaugurado no Egito. Fica em Gizé, perto das Grandes Pirâmides. Vai substituir o atual, o tradicional Museu do Cairo.

As peças estão a ser transferidas aos poucos. Por isso, é possível que o turista não veja alguma peça de destaque — algo de seu interesse — ao visitar o atual museu.

Política de cancelamento

Os pedidos de cancelamento deverão ser enviados por e-mail. O cliente que, por algum motivo, solicitar cancelamento ou transferência do que foi contratado, incorrerá em taxas administrativas e despesas operacionais, aplicadas sobre o valor total do contrato, nas seguintes proporções: acima de 30 dias à data de saída: 10% e mais eventuais multas e despesas cobradas pelos fornecedores contratados; de 30 dias a 8 dias antes da data de saída: 20% e mais eventuais multas e despesas cobradas pelos fornecedores contratados. Entende-se por multas e despesas cobradas por fornecedores contratados qualquer valor que não seja cobrado pelo ME, mas sim pelos prestadores de serviços em geral contratados: multas de reembolso de companhias aéreas, terrestres ou marítimas, bilhetes de shows, teatros ou qualquer outro evento que tenha sido pago com antecedência, cobrança de diárias nos hotéis onde não haja devolução de valores, etc. Há perda total do valor pago no caso dos vôos domésticos, bilhetes de trem e cruzeiro, que não trabalham com reembolso. Nenhum reembolso é possível em caso de cancelamento entre 1 e 7 dias antes da viagem ou em caso de não comparecimento do viajante.

Aceitação destes termos

O cliente visitou o site do ME e conheceu o conteúdo. Deve ter visto esta página de Termos de Serviço, bem acessível normalmente pelo menu. Portanto, ao pagar ao ME a entrada, que vale como contratação oficial do serviço, fica entendido que o cliente aceitou os termos aqui expostos. Posteriores questionamentos jurídicos serão resolvidos em Egito (Cairo).

~ FIM ~