Categorias
Turismo

Castelo de Silves é uma das atrações do Algarve


Castelos! Castelos e mais castelos. Como fã de História (essa mesma, com H maiúsculo), visitá-los é um de meus maiores prazeres em turismo pela Europa. Portugal apresenta alguns dos melhores, e entre eles está o fascinante CASTELO DE SILVES.

É esse castelo que você conhecerá agora comigo, em uma visita virtual cheia de fotos (no final, um link leva a fotos extras).

Prepare-se para mais uma aventura no Algarve (sul de Portugal).

Emoções no Centro Histórico de Silves

Por morar no Algarve, vou a Silves com certa frequência. Em agosto, pelo menos, é certeza, quando acontece a tradicional Feira Medieval de Silves.

O Centro Histórico rende um dia memorável a turistas. O melhor começa depois de cruzarmos as Antigas Portas da Cidade. Dali, seguimos acima por ruas estreitas, às vezes testemunhando algum trabalho arqueológico. Se tivermos sorte, especialmente em períodos quentes, teremos cegonhas como um espetáculo à parte.

Passamos por pontos importantes, como a Catedral de Silves. Podemos então apreciar a curiosa loja de cerâmicas Al-Tannur. Mais acima, a poucos passos do Restaurante Café Inglês, onde costumo descansar e comer pizzas, chegamos ao Castelo de Silves. Natural, aliás, o castelo estar mais no alto. Castelos tradicionalmente eram construídos em pontos superiores, por questões de segurança.

Cegonhas são um belo espetáculo à parte em Silves

Respire fundo e venha comigo até o castelo. Veremos o que é considerado por muitas pessoas como o melhor exemplo das construções militares islâmicas em Portugal.

Glauco, é possível saber um pouco da história antes de fazermos a visita virtual ao castelo?

Claro. Mas de forma muito resumida.

O Castelo de Silves

Um pouquinho da história

Se pudéssemos voltar ainda mais no tempo, antes da construção do Castelo de Silves, encontraríamos ali uma fortificação, provavelmente construída pelos romanos ou pelos visigodos. Consegue perceber quanto isso é fascinante?

Mas a história de nossa visita começa no século VIII, com a invasão da Península Ibérica pelos muçulmanos. Nos séculos seguintes, a região de Silves desenvolveu-se muito e atingiu seu apogeu. Tornou-se, assim, alvo de cobiça de príncipes muçulmanos, e virou palco de disputas sangrentas.

As disputas continuaram na fase da Reconquista Cristã. Em 1189, sob comando do rei D. Sancho I, com auxílio dos Cruzados, os exércitos portugueses atacaram Silves implacavelmente, com grande variedade de máquinas de guerra modernas para a época. O povo rendeu-se e foi brutalmente saqueado, com muitas mortes mesmo após a rendição.

Apenas dois anos depois, os muçulmanos contra-atacaram e conseguiram retomar a região. Em 1242, houve uma revanche frustrada dos cavaleiros da Ordem de Santiago. Apenas em 1253, sob o reinado de D. Afonso III, a povoação de Silves e seu castelo voltaram às mãos de Portugal.

Imagine as lutas, o sangue derramado ali. Toda a dor. Hoje, visitamos a área em paz e ficamos deslumbrados. Antes batalhas, hoje turismo. Isso é evolução.

Agora, o castelo só não está em melhores condições porque foi vítima também da Natureza. Portugal tremeu com violentos terremotos ao longo da História — e continua a tremer.

O exterior do castelo

O castelo pode ser visto de diversos pontos de Silves, mesmo à distância (está no alto, lembra-se?).

Quanto mais nos aproximamos das muralhas, maiores são os arrepios de emoção. Em momentos assim, minha imaginação vai longe. Visualizo os trabalhadores da época a construírem aquela maravilha da engenharia e da arquitetura. Vejo habitantes em suas rotinas. Enxergo o passado em uma concentração tão intensa que quase posso esticar o braço e tocar em alguém a passar por ali. Sinto até cheiros.

O Castelo de Silves visto de longe.
Chegando de carro a Silves, já vemos o castelo – apontado pelas setas vermelhas. A branca indica a Catedral de Silves.
O Castelo de Silves visto à distância.
Parte do castelo, quando ainda estou a caminhar no Centro Histórico. Aqui, estou na traseira da Catedral. À direita, fora desta foto, está o Restaurante Café Inglês.
O Castelo de Silves visto a partir do Restaurante Café Inglês.
O castelo visto a partir da parte superior do Restaurante Café Inglês.

De repente, as muralhas – conservadas – crescem bem diante de nós. Enormes. Elas nos intimidam mas ao mesmo tempo fazem um irresistível convite para uma visita.

Entrada principal do Castelo de Silves.
Entrada do castelo para a visita.
Detalhe do exterior do Castelo de Silves, com bandeira de Portugal.
Com a bandeira que me emociona: a bandeira de MEU PORTUGAL.
Detalhe do exterior do Castelo de Silves.

Na área da entrada principal, preste atenção a uma enorme estátua de bronze. É tradição os turistas tirarem fotos ali. A estátua é homenagem a D. Sancho I — aquele citado no item “Um pouquinho da História”.

Estátua de D. Sancho I.
D. Sancho I.

Interessante, Glauco! Noto que ele segura uma carta. Pode mostrar mais de perto?

Basta pedir e eu aceito.

D. Sancho I.
D. Sancho I

Emocionante, não?

Chegou o momento de você cruzar comigo a entrada.

Entrada do Castelo de Silves.

O interior das muralhas

Antes de explorarmos o interior, passamos por uma ampla área coberta que dá acesso ao ponto de vendas de ingressos.

Teto de área no Castelo de Silves.
Bilheteria
Onde entramos para comprar ingressos.

Finalmente, cruzamos uma porta de vidro para começar o melhor da visita.

Muralhas erguem-se já ali, a céu aberto. Podemos e até devemos subir nelas, para intensificar as emoções e conseguir vistas incríveis lá no alto.

Um dos maiores destaques são os vestígios de construções ali dentro. Surgem poucos passos depois daquela porta de vidro, bem à sua frente, e se estendem alguns metros junto à muralha.

O castelo é um exemplo de construção militar islâmica em Portugal

Vale destacar os vestígios das enormes cisternas para águas e dos silos para alimentos. Juntos, cisternas e silos podiam manter a população ali dentro por um bom tempo, tornando-a mais resistente a ataques. (Acredita-se que uma das cisternas tenha sido antes um antigo poço dos romanos, usado para exploração de cobre.)

Delicie-se com esta série de fotos:

Dentro das muralhas do Castelo de Silves.
Dentro das muralhas do Castelo de Silves.
Junto a esta parte da muralha, escavações mostram vestígios de construções. Vemos bem as divisas.
Dentro das muralhas do Castelo de Silves.
Dentro das muralhas do Castelo de Silves.
Turistas subindo nas muralhas.
Turistas caminham nas muralhas
Nas muralhas do Castelo de Silves.
Fenda para observação e defesa na muralha
Dentro das muralhas do Castelo de Silves.
Dentro das muralhas do Castelo de Silves.

Subir nas muralhas requer grandes cuidados

Dentro das muralhas do Castelo de Silves.

Ao percorrer o alto das muralhas, preste atenção a uma pequena sala onde estão expostos diversos itens encontrados em excavações locais. Há potes, jarros, ânforas, pontas de lanças, etc.

Itens expostos no Castelo de Silves.
(Olá, Câmara de Silves. Que tal conservar melhor esta parte? Eu sinto vergonha disso.)
Itens expostos no Castelo de Silves.
Itens expostos no Castelo de Silves.

Por fim, na parte de baixo, mais ao fundo, à esquerda, localize um bar. Poderá ser a sua salvação durante a visita (explico abaixo).

Bar dentro do castelo
Área externa do bar.

Que ansiedade para ver tudo isso pessoalmente!

Ótimo. Agora tenho alertas e dicas.

Alertas para a sua visita

Tenha atenção especial caso a sua visita seja no verão. Temperaturas facilmente atingem 40 graus Celsius no Algarve. Para piorar, Silves é mais quente ainda em comparação com toda a região. Portanto, espere lá uma temperatura superior à média do Algarve.

Recomendo protetor solar, óculos de sol e proteção na cabeça. Lembre-se: é visita a céu aberto.

O bar citado acima será paraíso para aplacar sua SEDE. Aproveite para sentar-se, relaxar, contemplar. Afinal, quantas vezes na vida você senta-se para comer e beber dentro de um castelo?

Chuvas exigem atenção milhões de vezes maior de quem sobe nas muralhas. As muralhas são escorregadias, e não há corrimão ou outro suporte para o visitante apoiar-se. Aliás, mesmo sem chuva é preciso tomar cuidado. Todos os anos, turistas morrem em Portugal em consequência de quedas em lugares assim. A principal causa de distração são os momentos de selfies.

Feira Medieval de Silves

O Castelo de Silves faz parte da anual Feira Medieval de Silves. Fique atento a isso. A visita durante essa época é sensacional.

Horários e preços

O Castelo de Silves abre todos os dias, exceto em Natal e Ano Novo.

De 2 de janeiro a 31 de maio, abre ao público das 9h às 17h30. De 1 a 30 de junho, das 9h às 19h. De 1 de julho a 31 de agosto, das 9h às 22h. De 1 de setembro a 15 de outubro, das 9h às 20h. De 16 de outubro a 31 de dezembro, das 9h às 17h30. Última entrada permitida sempre 30 minutos antes da hora de encerramento.

O ingresso custa 2,80€. Crianças e visitantes acima de 65 anos têm desconto de 50%.

Eu nunca vi o castelo cheio de turistas. Muito provavelmente, você fará uma visita tranquila. (A verdade é que Silves não aproveita mais o potencial turístico que tem.)

(Lembre-se: preços e horários podem mudar a qualquer momento.)

Localização

Para facilitar sua vida, localize o Castelo de Silves directo no Google Mapas.

Mais fotos

Interessado em ver mais fotos que eu tirei no Castelo de Silves? Ótimo. Siga AQUI para visitar um álbum que criei em meu Google Fotos.

Bons passeios… mesmo que sejam apenas virtuais!


GLAUCO DAMAS
Moro em Portugal. Atuo como autor desde 2001. Publiquei livros infanto-juvenis, inclusive pela Editora Saraiva. Em 2013, surgiram o primeiro livro técnico e o primeiro guia de viagem.
Saiba mais « » Contacto


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *