Categories
Turismo

Ripley’s Believe It or Not! – Diversão em Londres

Prepare-se.

Em Londres, você está prestes a entrar em um universo curioso, engraçado, bizarro. Seu raciocínio lógico será testado. Suas crenças sofrerão um abalo. Sua mente terá de absorver uma infinidade de informações sobre um mundo que você ainda não conhecia. E, em meio a tudo isso, você vai rir muito.

Entre comigo, agora mesmo, no

 

Ripley’s Believe It or Not!

A sensação está em Piccadilly Circus, um dos pontos turísticos mais populares de Londres. Em uma esquina, vemos este imponente prédio:

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres - O prédio

Em tudo aquilo está o museu Ripley’s Believe It or Not! (o nome é assim mesmo, com uma exclamação). São 5 andares de pura diversão e encantamento. Nós entr—

Oh, espere aí, Glauco! Em primeiro lugar… que nome estranho é esse? Eu queria entender. Aliás, parece que o nome soa um tanto familiar…

OK, eu vou explicar.

 

Um pouco da história

Tudo começou com Robert Ripley, um cartunista e empreendedor nascido nos Estados Unidos em 1890. Em cartoons e textos publicados em jornais, ele retratou inúmeros fatos curiosos colecionados em todo o planeta. Eram casos tão estranhos, bizarros, que a expressão “believe it or not” (acredite se quiser) passou a ser associada a ele.

Ripley
Ripley. Esquisitão, né?

A série virou um fenômeno e alcançou depois o rádio e pequenos filmes projetados em cinemas. Ripley também fez exposições, atraindo milhões de visitantes. Nem a morte dele, em 1949, acabou com essa popularidade. O conceito foi para a TV, e um dos programas, exibido no Brasil, ganhou o nome “Acredite se Quiser” (não poderia ser outro título…).

Aaaaaah, Glauco! Agora eu associei! Eu me lembro desse programa!

Pois aí está.

Anos mais tarde, as coleções curiosas reuniram-se em museus, com maiores dimensões e espaços físicos fixos. A sede da companhia está em Orlando, nos Estados Unidos, mas já existem mais de 30 unidades espalhadas pelo globo. Uma das melhores está em Lo–

Em Londres, Glauco. Entendi. Quero visitar!

Ótimo. Vou mostrar a visita e falar de preços e horários. Também é importante saber como evitar filas.

 

A visita

Logo ao cruzarmos a porta, vemos itens curiosos, que despertam nossa atenção imediatamente.

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Divertido cartaz junto à entrada.

Apresentamos o bilhete de entrada e seguimos até o elevador. A visita começa no 5º andar. Ao avançarmos, descemos gradualmente de volta ao térreo, passando por 700 itens. (Alguém com dificuldades de locomoção nessa visita? Não se preocupe: eles oferecem estrutura para isso.)

Lembre-se: são 5 andares. Reserve, portanto, pelo menos uma hora e meia para esse passeio. Queremos observar bem todos os itens e ler as legendas. Alguns são interativos, por isso exigem um pouco mais de tempo e atenção.

A seguir, mostro apenas uma minúscula parte das coleções. Um artigo com todas as fotos seria inviável. Aliás, seria chato, porque então você já teria visto tudo o que há lá dentro, e a visita pessoalmente perderia parte do charme.

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Entre comigo! E aqui, ainda na calçada, um item que atrai olhares. Esse é o boneco do homem mais alto do mundo. Como você fica ao lado dele? Todo mundo tira fotos ali – até quem não vai entrar no museu.

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Vamos até o 5º andar! Preparado?

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Gostaria de experimentar a cerveja mais antiga do mundo?
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Há algo errado aqui…
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
O maior nariz do mundo. O desse homem tinha… ahn… 19 centímetros!
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Fã de Agatha Christie? Estes são os ORIGINAIS dela para o famoso livro Passageiro para Frankfurt. Abri aqui no blog um artigo especial só para mostrar isso.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Eu, fã de Agatha Christie, deliciando-me com os originais do livro…
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Um cartunista morreu. A maior paixão dele eram os quadrinhos. As cinzas da cremação do artista foram misturadas à tinta que imprimiu esta revista. Que tal? Você já pensou em ser impresso em uma história de heróis e vilões?
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Não precisa mais ir a Berlim para ver o que sobrou do fatídico Muro de Berlim. Aqui está uma parte dele.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Fios de cabelo de Napoleão Bonaparte. Ao menos… eles juram que são verdadeiros.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Exemplo de item interativo. Simulamos a difícil vida de um homem que não tinha as pernas e movia-se com as mãos. Há uma ilusão de ótica aí (é claro!) para tirarmos uma foto.

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres

Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Seção sobre torturas empregadas ao longo da História. Chocante. Aliás, mesmo CHOCANTES. Na parte com a cadeira elétrica, os visitantes são convidados a puxar a alavanca que dá a descarga! Faz barulho!
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Ali no fundo, um cinto de castidade. Já viu um real? (Quer usar?)
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Fã de vampiros? Aquele pedaço de tecido preto é parte da capa que Bela Lugosi usou no clássico filme Drácula, de 1931.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
E por falar em vampiros… Esse é Vlad Tepes, príncipe maligno que inspirou o autor Bram Stoker na criação do clássico romance Drácula.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
A mulher mais gorda do mundo. Não fique ali embaixo.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Dente fossilizado de mamute.
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Quantos visitantes precisam subir na balança à direita para igualarem os 486 quilos do homem mais gordo do mundo?
Museu Ripley's Believe It or Not!, em Londres
Réplica do Titanic feita com palitos de fósforo. Ao lado, há um recipiente com água muito gelada. É a mesma temperatura da água do oceano quando o navio naufragou. Experimentamos nas mãos (literalmente) o que as vítimas sentiram no corpo todo. Por isso a maioria morreu de hipotermia, não de afogamento.

E então? Curioso? Quer mais?

Oh, sim, Glauco! Tudo!

Então vamos às informações práticas.

 

Bilhetes

Você pode comprar bilhetes lá mesmo. Mas (surpresa!) corre o risco de enfrentar filas irritantes. Entra, então, o que eu sempre sugiro aqui no blog: comprar bilhetes on-line.

Quanto mais antecipar a compra, maior o desconto. Por exemplo: no momento, um bilhete normal para visitantes a partir de 16 anos custa 27,95£. Se comprar de 1 a 13 dias antes da visita, custa 23,76£. Acima de 13 dias, o valor cai para 13,98£. Um grande desconto! (De 4 a 15 anos: 20,95£ para compra no dia; 17,87£ se comprar de 1 a 13 dias antes; 10,48£ se comprar mais de 14 dias antes.)

Quer aproveitar essa facilidade? Então vá comprar os bilhetes. (Não é necessário imprimir os bilhetes. Você pode salvá-los no smartphone e mostrá-los na entrada do museu.)

 

Horários

O pessoal lá gosta muito de trabalhar.

O museu abre em todos os dias do ano. Todos. Funciona das 10h30 da manhã à meia-noite. Uau! Mas atenção: a última entrada acontece às 10h30 da noite.

 

Local & Como chegar

O endereço exato é 1 Piccadilly Circus, London, W1J 0DA. Fica na esquina da Shaftesbury Avenue com a Coventry Street. Para facilitar sua vida, localize no Google Mapas.

Estas são as instruções para chegar lá por transporte público:

  • Tube
    • O prédio está junto à Piccadilly Circus Underground Station. A estação possui serviços pela Piccadilly Line e pela Bakerloo Line.
    • Na estação, use a Saída 4 em direção à Coventry Street.
  • Bus
    • Estas são as rotas que passam por lá: 3, 6, 9 , 12 , 13, 14, 15, 19 , 22, 23, 38, 88, 94, 139, e 453.

Bons passeios! E boa diversão!

By GLAUCO DAMAS

Moro em Portugal. Atuo como autor desde 2001. Publiquei livros infanto-juvenis, inclusive pela Editora Saraiva. Em 2013, surgiram o primeiro livro técnico e o primeiro guia de viagem.

Deixe um comentário