Categories
Turismo

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Tróia é uma península em Portugal, próxima de Setúbal. Com belíssimas paisagens naturais, incluindo praias deslumbrantes, é escolha de milhares de turistas durante o verão. (E que calor! Leia o alerta neste artigo.)

Onde fica Tróia
O balão vermelho mostra onde fica Tróia, em Portugal. Note a proximidade com Lisboa (Lisbon, no mapa). Para ver direto no Google Mapas, clique aqui.

Uma das atrações turísticas principais são as ruínas romanas, vistas em um sítio arqueológico classificado como Monumento Nacional.

.

O QUE HÁ PARA VER

Ruínas romanas em Tróia
O acesso às ruínas começa na estrada municipal Tróia-Comporta. Da estrada até às ruínas há um caminho de 2,5 quilômetros de terra batida.
Ruínas romanas em Tróia
Entrada da visita às ruínas.

As ruínas envolvem várias construções dos séculos I a VI d.C. Havia ali um agregado populacional que trabalhava com pesca e fabricação de conservas de peixe. A produção era exportada ao resto do Império Romano.

As oficinas de salga de peixe eram formadas por uma série de tanques. O local foi propício à atividade porque ali, além da pesca abundante, podia ser extraído sal de excelente qualidade.

Ruínas romanas em Tróia

Ruínas romanas em Tróia
O percurso oferece painéis explicativos. A maior parte do caminho é acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Textos em braile podem ser pedidos na bilheteria.

Ruínas romanas em Tróia

Ruínas romanas em Tróia

Ruínas romanas em Tróia

Ruínas romanas em Tróia

Junto às oficinas de salga, encontramos as termas. A água vinha de um poço. Passava por um pequeno aqueduto, em direção a um reservatório. Deste, era distribuída para os tanques.

Aí entrava o toque da genialidade dos romanos. Como era comum nas termas deles, havia um sistema de aquecimento subterrâneo, ligado a pequenos tanques para banhos de vapor e de água quente. Os romanos eram inteligentes a ponto de se preocuparem com choque térmico, por isso havia uma sala de transição, com temperatura morna. Os frequentadores também usavam uma zona de água fria, um vestiário e uma área de convívio e exercícios físicos.

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal
Parte do caminho percorrido pela água.

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Você pode achar estranho, mas há também um mausoléu e uma necrópole na área. Nas paredes do mausoléu, vemos espaços onde eram colocados potes com cinzas de defuntos — seguindo a prática romana da cremação. Curiosamente, vemos espaços ocupados por sepulturas tradicionais, o que evidencia uma mudança de comportamento ao longo do tempo.

Não é possível entrar no mausoléu. Apenas observamos o interior através de um portão.

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal

Ruínas romanas em Tróia, Portugal
Necrópole.

No fim da visita, vemos a Rua da Princesa, uma área residencial. O nome surgiu em homenagem à Infanta D. Maria Francisca, futura Rainha D. Maria I. Foi ela quem mandou fazer ali as primeiras escavações de que se tem notícia.

Ruínas romanas em Tróia

Ruínas romanas em Tróia

.

ALERTA

Tróia fica praticamente deserta durante o inverno. Há turistas no outono e na primavera, mas o forte da área é o verão.

Você deve preparar-se para o calor. É muito intenso. Eu passei mal. Corri ao quarto do hotel, liguei o ar-condicionado e fiquei na cama por vários minutos, para me recuperar. (Não entendo aqueles turistas que conseguem ficar horas na piscina ou no mar!…)

A visita às ruínas no verão requer cuidados especiais. Use óculos de sol, chapéu, protetor solar. Cuidado, também, com sua câmera fotográfica. Minha Canon ficou tão quente que eu tive medo de uma avaria técnica — no mínimo, perda do cartão de memória. Procurei abrigo debaixo de uma árvore. Lá fiquei durante uns quinze minutos, esperando o meu corpo e a câmera esfriarem um pouco.

.

VÍDEO

Fiz um vídeo de minha viagem a Tróia. A parte sobre as ruínas romanas começa em 00:58.

.

HORÁRIOS E PREÇOS

  • De setembro a maio
    • Aos sábados
    • Das 10h às 13h e das 15h às 17h30
  • De junho a agosto
    • De terça-feira a sábado
    • Das 10h às 13h e das 15h às 18h30
      • Não abre de 8 a 13 de agosto (Festa de Nossa Senhora do Rosário de Tróia)
  • Semana da Páscoa
    • Terça-feira a sábado
    • Das 10h às 13h e das 15h às 17h30
  • O acesso às ruínas sempre é fechado 30 minutos antes do encerramento.

Preços:

  • Bilhete normal: 5€
  • Estudantes: 4€
  • Até 14 anos: gratuito
  • Maiores de 65 anos: 4€
  • Turistas hospedados no Tróia Resort: 4€
Ruínas romanas em Tróia, Portugal
Trabalhos de escavação e recuperação de peças continuam nas ruínas.

Você pode optar por uma visita guiada. Informações:

  • De outubro a maio
    • Primeiro sábado de cada mês, às 15h
  • Junho e setembro
    • Todo sábado, às 15h
  • Julho e agosto
    • Quartas-feiras e sábados, às 10h30
    • (exceto de 8 a 13 de agosto)
  • Interessado em outras datas? Tente uma marcação prévia.

Para qualquer uma dessas opções, é necessário agendar. Mande um e-mail para arqueologia@troiaresort.pt, ou telefone para +351 265 499 400.

Preços das visitas guiadas:

  • Bilhete normal: 7,50€
  • Estudantes: 5€
  • Até 14 anos: gratuito
  • Acima de 65 anos: 5€
  • Turistas hospedados no Tróia Resort: 5€
  • Grupos com pelo menos dez pessoas: 5€ por pessoa.
Ruínas romanas em Tróia
Mapa fornecido pelo Tróia Resort.

Para localizar a área no Google Mapas, clique aqui.

Ruínas romanas em Tróia

Leia também:

Tróia: arroz e… cegonhas

NOTA:
Procura hotéis em PORTUGAL? Aproveite a parceria deste blog com a Booking. Vantagens costumam aparecer nas reservas. Siga aqui para conferir. (Esse é um link afiliado. Há uma pequena comissão ao blog, e isso ajuda a cobrir altos custos com servidor de qualidade, segurança, tratamento de imagens, etc. É assim que eu NÃO coloco aqui aquelas publicidades irritantes que atrapalham o conteúdo dos artigos. Por uma internet mais limpa! Eu agradeço.)

By GLAUCO DAMAS

Moro em Portugal. Atuo como autor desde 2001. Publiquei livros infanto-juvenis, inclusive pela Editora Saraiva. Em 2013, surgiram o primeiro livro técnico e o primeiro guia de viagem.

4 comentários a “Ruínas romanas em Tróia, Portugal”

Deixe um comentário