Categories
Turismo

Torre de Belém, em Lisboa: detalhes para a sua incrível visita

TORRE DE BELÉM: a Dama de Lisboa. Um dos pontos mais famosos de Portugal, por isso um dos mais procurados pelos turistas – talvez o mais procurado.

Algumas pessoas cometem o “pecado” de vê-la apenas por fora. Recomendo veementemente ENTRAR nela. É uma visita muito emocionante, inesquecível. Já perdi a conta de quantas vezes fiz isso. Em cada vez, é como se fosse a primeira, porque sempre encontro um novo olhar, um outro detalhe, uma nova perspectaiva.

Neste artigo, com muitas fotos, eu mostro como é a visita e dou dicas para a SUA passagem por lá. Para não sobrecarregar seu navegador, as fotos serão baixadas conforme você descer a página.

Pastel de Belém e vinho do Porto.

Ótimo, Glauco! Estou na organização de minha viagem a Portugal, e a Torre de Belém é uma das minhas maiores ansiedades para ver pessoalmente!

Muito bem. Como eu sempre digo no blog, gosto de leitores empolgados. Pegue logo o seu vinho do Porto, seus pastéis de Belém e tudo o mais… e venha comigo.

Torre de Belém

Um pouco da história

Não se faz uma boa visita sem saber pelo menos um mínimo da história.

Eleita pela Unesco em 1983 como Patrimônio Mundial, a Torre de Belém consagrou-se como uma das Sete Maravilhas de Portugal em 2007.

Recomendo ENTRAR também no Mosteiro dos Jerónimos e no Padrão dos Descobrimentos

A ideia dessa fortificação surgiu em um plano defensivo da barra do Rio Tejo, projetado na época de D. João II (1481-95). A construção começou apenas em 1514, sob o reinado de D. Manuel I (1495-1521) – por isso fala-se do estilo manuelino em relação à arquitetura. O objetivo era substituir a nau artilhada presente na área, de onde partiam as frotas para as Índias.

A construção foi concluída em 1520. E lá está, linda, majestosa, perfeitamente de pé.

Perfil da Torre de Belém.
Daqui a pouco, mostrarei alguns detalhes desta parte externa.

No decorrer dos séculos, a obra perdeu sua função defensiva do território. Então, foi usada como registro aduaneiro, posto de sinalização telegráfico e farol. O que mais surpreende os visitantes é a descoberta de que a torre também foi usada, nos séculos 16 e 17, como cárcere para presos políticos (você verá fotos disso daqui a pouco).

Antes de começarmos nossa visita, vamos a algumas informações práticas.

Onde fica

A Torre de Belém é acessível pela Avenida Brasília. Para localizá-la direto no Google Mapas, siga este link.

Outros pontos turísticos populares estão na área. Você pode ir de um a outro a pé. Por exemplo, o Museu Nacional dos Coches, o Mosteiro dos Jerónimos, o monumento Padrão dos Descobrimentos, a casa Pastéis de Belém. Além disso, há ali, para apreciar, o famoso Rio Tejo — a Torre, afinal, fica à beira do rio. Já publiquei aqui um roteiro para explorar essa área.

Horários

  • Outubro a abril
    • Das 10h às 17h30 (última entrada às 17h)
  • Maio a setembro
    • Das 10h às 18h30 (última entrada às 17h)
  • Fechado: segundas-feiras; dia 1 de Janeiro; Domingo de Páscoa; 1 de Maio; 13 de Junho; 25 de Dezembro

Atenção a um detalhe. A Torre de Belém fecha para o público toda segunda-feira. Inúmeros turistas desinformados aparecem lá nesse dia.

Ingressos

  • Bilhete normal: 6€.
  • Torre de Belém + Mosteiro dos Jerónimos: 12€. (Se pretende visitar o Mosteiro dos Jerónimos a seguir, compensa já comprar aqui o bilhete conjunto, para evitar uma segunda fila de compra de ingresso.)
  • Bilhete de família: 50% de desconto para pais e filhos (a partir de 4 elementos).
  • Entrada livre:
    • 1º domingo de cada mês para visitas individuais ou para grupos de até 12 pessoas.
    • Visitantes de até 12 anos.

Que tal comer depois os originais pastéis de Belém na casa que fica perto daqui?

É possível comprar bilhetes lá mesmo. Espere uma longa fila, principalmente no verão. O ideal, portanto, é comprar on-line.

Nota – Preços e horários podem ser alterados a qualquer momento.

Acesso a portadores de necessidades especiais

Infelizmente, portadores de necessidades especiais, como cadeira de rodas, não podem subir na torre. A estrutura impossibilita isso, e não há como fazer adaptações sem alterar a arquitetura original. A visita inclui escadas estreitas com degraus altos.

Certo?

Obrigado pelas informações práticas, Glauco. Eu tenho agora uma dúvida. Posso chegar lá de táxi facilmente… mas e se eu escolher transporte público coletivo?

Boa pergunta. Tenho umas dicas para isso.

Como chegar

Infelizmente, o metro (metrô) não vai até Belém. Você pode seguir de autocarro (ônibus). Para isso, pegue a linha 15E ou a 729.

Vindo da área central-turística de Lisboa, a sua parada pode ser no outro lado da avenida. O que fazer? Observe as próximas fotos.

Paragem de autocarro para visita à Torre de Belém.
Cheguei de autocarro — eléctrico. Diga ao condutor que você vai visitar a Torre. Ele poderá avisar quando chegar o momento de descer. No caso, o ponto é o desta foto. Aqui, saí do autocarro e virei à esquerda, na direção do Rio Tejo.
Vista da Torre de Belém após descer do autocarro.
Ao virar onde eu disse, já temos uma visão da Torre. Neste ponto, viramos de novo à esquerda, em direção a uma ponte que conduz ao outro lado da Avenida Brasília.

O trajeto de autocarro pode ser barato, mas costuma demorar se você partir do Centro de Lisboa. Muito trânsito, muitas paragens. A minha viagem mais recente assim demorou quase 50 minutos.

Os serviços de táxi em Lisboa têm preços bastante acessíveis, principalmente quando comparados aos preços de outras capitais europeias. Recomendo que você considere a ideia de seguir até lá de táxi. Será mais cômodo e certamente mais rápido.

Nos arredores da Torre

Vamos explorar um pouco os arredores.

No lado da avenida junto ao rio, já perto da Torre de Belém, preste atenção a um bar e restaurante (próxima foto). Pode ser um momento para você descansar um pouco, comer um lanche rápido, matar a sede. Muitos turistas vão ali para usar a casa de banho (banheiro). O acesso é livre apenas quando a pessoa consome no local (justo, aliás).

Restaurante perto da Torre de Belém.

Observe também, a poucos metros disso, uma pequena área com lanchonetes e bancas de produtos. Ali você encontra lembranças de Lisboa para comprar. Postais, guardanapos, xales, camisetas, produtos de cortiça, estátuas, ímãs, etc.

Stands de produtos perto da Torre de Belém.

Vá com tempo para explorar também os arredores

Entre esse local e a Torre de Belém, encontramos uma réplica de avião. É uma homenagem à primeira travessia aérea do Atlântico Sul, em 1922. Vale observar de perto. O Brasil, aliás, faz parte da rota do voo.

Avião em comemoração à primeira travessia aérea do Atlântico Sul.

Em frente desse avião, há um outro bar-restaurante. Junto ao Tejo, por isso a vista ali é magnífica.

Restaurante junto ao Tejo.

Então avançamos e… finalmente… chegamos ao que mais nos interessa!

Perto da Torre de Belém.
Perto da Torre de Belém.
Jardim em frente da Torre de Belém.
Jardim em frente.

Emoção, Glauco! Eu sonho com esse momento!

Pois vamos aos detalhes.

Parte externa da Torre de Belém

Visitamos agora o que todo turista vê: a parte externa da Torre de Belém.

A decoração exterior nos encanta. Uma enorme e verdadeira obra de arte, principalmente ao consideramos as dificuldades da época para erguer uma grandiosa construção.

A Torre é adornada com cordas e nós esculpidos em pedra. Um observador atento percebe vários outros elementos na decoração, como a cruz da Ordem de Cristo e um rinoceronte. Tudo remete às grandes navegações financiadas por Portugal. Galerias abertas e torres de vigia também receberam incríveis caprichos arquitetônicos.

Exterior da Torre de Belém.
Exterior da Torre de Belém.
Exterior da Torre de Belém.

As Grandes Navegações Portuguesas são uma inspiração especial para a Torre de Belém e o monumento Padrão dos Descobrimentos

Exterior da Torre de Belém.
Exterior da Torre de Belém.
Exterior da Torre de Belém.
Exterior da Torre de Belém.

Fila de acesso à Torre de Belém

Agora o nosso passeio começa a mudar, a ir além do que faz a maioria dos turistas. Vamos para a fila de entrada!

Já estive aqui muitas vezes. No dia destas fotos, era verão. Eu esperei na fila durante 50 minutos.

Quase uma hora, Glauco???

Em dias mais cheios, sim – possivelmente até mais tempo. É mais possível acontecer no verão, que é a alta do turismo em Portugal. Mas não se espante muito. Há situações piores. Em um verão em Paris, já vi a fila para subir na Torre Eiffel durar 5 HORAS!

Ah! Por falar em verão: cuidado se a sua visita for nessa época. Não se esqueça de proteção contra o sol e o calor, principalmente para seu tempo em fila. Pense em óculos de sol, chapéu ou boné, protetor solar. Portugal sabe ser implacável nessa época.

Fila de entrada para a Torre de Belém.
A seta indica um outro grande ponto turístico de Lisboa: o monumento Padrão dos Descobrimentos. Sobre o Rio Tejo, vemos a famosa Ponte 25 de Abril. Mais à direita, lá no fundo, notamos o Cristo Redentor.
Fila de entrada para a Torre de Belém.
Fila de entrada para a Torre de Belém.
Fila de entrada para a Torre de Belém.
Para entrar, passamos por uma ponte levadiça. Observe as correntes. São manipuladas por um sistema mecânico original que mostrarei daqui a pouco.
Área de compra de bilhete.

Aqui, mesmo com bilhete na mão (comprado on-line), você pode ter de esperar um pouco. Por razões de segurança, permite-se um máximo de 150 pessoas na Torre ao mesmo tempo.

OK, eu confesso, Glauco. Não aguento mais de ansiedade. Vamos entrar logo?

Agora!

Dentro da Torre de Belém

O interior é austero. Uma das partes que mais chamam a atenção dos turistas está logo no início da visita: uma nave com 16 canhões para tiro rasante de artilharia.

Abaixo disso, encontramos a área que serviu de armaria e prisão. No paiol, cuidavam de pólvora e de outros aparatos militares. A partir disso, a Torre eleva-se em cinco pavimentos:

  • 1º andar – Sala do Governador
  • 2º andar – Sala dos Reis
  • 3º andar – Sala de Audiências
  • 4º andar – Capela
  • 5º andar – Terraço

Os visitantes podem explorar todas essas áreas. Muito emocionante! Lá no alto, há o grande prêmio: a belíssima vista, com o Rio Tejo colorindo o cenário.

Entremos!

No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.

Hora de começarmos a subir. A cada novo degrau, mais emoções.

No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
Mais uma vez, vemos lá no fundo a Ponte 25 de Abril e o Cristo Redentor.

Subir tudo isso exige fôlego, mas certamente vale a pena

No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
Lembra que passamos pela ponte levadiça para entrarmos na Torre? Este é o mecanismo que controla a ponte.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.
No interior da Torre de Belém.

Incrível, Glauco! E eu notei que há muitas escadas, estreitas e com degraus altos. Não fica muito tumultuado? Como as pessoas se organizam para subir e descer?

Esse é mesmo um problema comum e perturbador em lugares do gênero por toda a Europa. Eu passo por dificuldades para subir e descer durante as visitas. Mas Lisboa mudou isso, marcando um exemplo para todos seguirem.

A administração da Torre de Belém organizou o sobe-e-desce. Uma sinalização abre caminho para cada sentido, um de cada vez. Como se fosse um semáforo. Basta acompanhar os sinais nos monitores.

E então? Eu espero que você tenha gostado dessa aventura tanto quanto eu.

Lisboa, minha querida Lisboa, sempre rende grandes e únicas emoções…

NOTA:
Procura hotéis em PORTUGAL? Aproveite a parceria deste blog com a Booking. Vantagens costumam aparecer nas reservas. Siga aqui para conferir. (Esse é um link afiliado. Há uma pequena comissão ao blog, e isso ajuda a cobrir altos custos com servidor de qualidade, segurança, tratamento de imagens, etc. É assim que eu NÃO coloco aqui aquelas publicidades irritantes que atrapalham o conteúdo dos artigos. Por uma internet mais limpa! Eu agradeço.)

By GLAUCO DAMAS

Moro em Portugal. Atuo como autor desde 2001. Publiquei livros infanto-juvenis, inclusive pela Editora Saraiva. Em 2013, surgiram o primeiro livro técnico e o primeiro guia de viagem.

2 comentários a “Torre de Belém, em Lisboa: detalhes para a sua incrível visita”

Deixe um comentário